Porque viver, sobrevivendo, é uma questão de simplicidade...
Quinta-feira, 2 de Dezembro de 2004
Feriado...

Ontem que foi feriado, aproveitei para me armar em criança-mulher e fazer umas das coisas inconfessáveis que mais adoro!


É o único encanto que empresto ao Outono, e lança-me na memória de saltos infantis que já passaram, mas que recordo sempre que tenho ocasião. Explicando, adoro montes de folhas secas!


 Que me perdoem os jardineiros e cantoneiros que varrem as ruas e os jardins, mas não resisto a um monte de folhas secas, sem lhe saltar para cima! Adoro o som seco e crepitante das folhas sob os meus saltos..


 Coitadas, já não basta caírem das árvores, ano após ano, ainda têm de levar comigo em cima!


 No entanto, faço-o com cuidado, observando com atenção se debaixo do meu desejo, não se esconde um qualquer bichinho distraído, candidato a esmagamento.


E ontem, antes de dar o tão almejado salto, tive o cuidado de afastar umas folhas com o pé, e deparo com uma laboriosa formiga, de antenas no ar, a olhar para mim…


“Rais parta! Tem sempre que aparecer alguém para me estragar o divertimento!” – vociferei num repente..


 “Olha pra ela! Uma matulona de quase 40 anos que não arranja uma forma inteligente de se divertir…”


 “E qual é o problema de andar a saltar folhas, posso saber?”


“Não me parece muito adequado, nem à tua idade, nem à tua condição de mãe de família!”


 “Não me parece que a opinião de uma simples formiga me interesse…”


“Mas devia interessar! Não te chegam o teu marido e os teus filhos, e a bicharada, e o trabalho e a casa para arrumar, para te ocuparem o tempo?”


“Podem ocupar-me o tempo, mas não deixo de gostar de saltar folhas! Uma coisa não tem nada a ver com a outra!”


 “Só os desocupados, frustrados, ressabiados e gente com más intenções é que andam por aqui a pisar folhas, não sabias?”


 “E és tu detentora da verdade absoluta para ser verdade incontestável o que dizes?


“ “Eu não ando por aí a saltar em cima de gente! Basta-me a minha labuta para me encher as medidas!”


 “Pois é, mas o meu espírito é leve e não se contenta com a rotina do dia a dia , preciso de horizontes mais vastos para me sentir gente…Preciso de falar, de escrever, de comunicar, de saltar folhas! Que mal tem isso?”


 “E não te importas que isso me incomode? Já viste que me podias pisar?”


“Mas não pisei. Este meu gosto não tem nada a ver contigo! Eu sou uma pessoa, sabes, não sou apenas esposa, mãe, mulher… sou uma pessoa, e cada uma tem as suas manias..”


 “ E não sabes que no meu mundo, pisar folhas é um crime?”


“Mas no meu, não é… E agora aconselho-te a afastares-te que vou começar a saltar!”


 “Posso ficar aqui a ver-te nesse disparate?”


 “Claro que podes. E se quiseres, experimenta saltar também! A vida não pode ser só trabalhar…”



publicado por Fernanda às 12:20
link do post | comentar | favorito
|

21 comentários:
De Anónimo a 4 de Dezembro de 2004 às 01:47
tb adoro saltar em cima de folhas secas :)xc
</a>
(mailto:blog@xupacabras.weblog.com.pt)


De Anónimo a 3 de Dezembro de 2004 às 11:51
Um diálogo delicioso, Fernanda. Não percas nunca essa capacidade de te divertires com coisas simples, como as crianças. Um beijo grande para ti e um bom fim de semana.lique
(http://mulher50a60.weblog.com.pt)
(mailto:lique2@sapo.pt)


De Anónimo a 3 de Dezembro de 2004 às 11:28
Bom dia de sol de outono! :) Estou a adorar ler-te mElher! :) Adoro caminhar sobre as folhas caídas no chão e a cada dia, espero que o jardineiro não varra as folhas que cobrem o parque em frente ao qual moro porque é uma visão deliciosa em tons de castanho pintalgado de amarelo. Mantém essa criança saltitona dentro de ti! ;) bjsSofia
(http://blog.sofiamorgado.net)
(mailto:sofia@universodeluz.net)


De Anónimo a 3 de Dezembro de 2004 às 07:16
Não arrancaste as folhas, ela já estavam caídas. Decerto ficaram felizes por te terem proporcionado tamanho prazer :) Beijo grande, alma bonita :)Carla
(http://papoilasdoces.blogs.sapo.pt/)
(mailto:cferreirapedro@sapo.pt)


De Anónimo a 3 de Dezembro de 2004 às 01:51
Não me acredito que consigas convencer a formiga! Nem a cigarra o conseguiu! E sou eu que digo, eu uma especialista em fábulas!saltapocinhas
(http://fabulas1.blogspot.com)
(mailto:mapsl@sapo.pt)


De Anónimo a 2 de Dezembro de 2004 às 23:03
tu falas com gaivotas, tu falas com formigas...mulher tu por acaso não és a alice no pais das maravilhas disfarçada de Apenas Maria?? hum? myryan
(http://outrademim.blogs.sapo.pt)
(mailto:myryan@sapo.pt)


De Anónimo a 2 de Dezembro de 2004 às 21:16
Tb adoro calcar as folhinhas... qto a saltar... nunca experimentei, acho, talvez qdo era mais pequena mas agora n me lembro!
http://sunshine.blogs.sapo.pt/
http://pequenitos.blogs.sapo.pt/Sílvia
(http://sunshine.blogs.sapo.pt/)
(mailto:silviaspt@sapo.pt)


De Anónimo a 2 de Dezembro de 2004 às 20:18
Ressabiados são os que não saltam. Há alguma coisa q estimule mais o cérebro de um ser humano normal do q espalhar um montão de folhas secas? ou rebolar na relva q nem um parvo? Ou, tb no outono, dar uns belos pontapés a meia dúzia de cogumelos queridinhos? Pois não. Não há. Isto dos cogumelos não é tão mau como parece. Ajuda a espalhar os esporos. Bjs.corrupto
</a>
(mailto:josesocrates@sapo.pt)


De Anónimo a 2 de Dezembro de 2004 às 19:05
que boa fase esta tua..........aproveita-a.......e partilha connosco.nós agradecemosmaria
</a>
(mailto:maria40@yahoo.com)


De Anónimo a 2 de Dezembro de 2004 às 18:31
não há nada mais divertido que correr a arrastar os pés por cima de um monte de folhas de outono e imaginar cada uma delas a voar, cada qual com um sonho.
Uma folha de outono, é uma gaivota que se pintou com as cores do nosso olhar...almaro
(http://aguarelasescritas.blogspot.com)
(mailto:almaro@iol.pt)


Comentar post