Porque viver, sobrevivendo, é uma questão de simplicidade...
Segunda-feira, 3 de Janeiro de 2005
ai...

A passagem de ano correu bem. Muito bem. Tudo bem disposto, mesa farta, Alex muito simpático, marido meigo, filhos au point, nada a apontar!


Só uma reclamação…. Ò senhores da colectividade local: habia nexessidade de tantos foguetes mandarem a aterrar no meu jardim? Não é que eu desgostasse de andar a apanhar canas, mas enfim… E a ideia de os mandarem até às 4 da matina, também não teve muita graça. Ó terrinha festiva, caramba! Não quero ser egocêntrica, mas parece-me que foi mesmo para chatear os habitantes novatos! Para o ano, veremos…


Continuando… Correu então tudo bem, e vim trabalhar toda contentinha…


Mas lá pelas 10 da matina, a minha alegria desapareceu, como se tivesse levado um valente sopro!


 Uma amiga do coração zangou-se comigo! E se a conheço bem, zangou-se mesmo.


Estou inconsolável, e nem me interessa se ela tem razão. Se ela acha que tem, é porque tem. Cometi um erro, embora inadvertidamente, e com isso perdi a confiança dela. É o que ela disse, e mais não disse para as coisas não ficarem mais feias…


Minha querida, mantenho a minha afirmação de que não fiz de propósito, ninguém é bruxo, e porque o que vale é a intenção, eu acabei por dizer, mesmo depois de a outra parte o ter descoberto. Nunca pensei que isso te perturbasse assim, e peço-te desculpa.


 Tens a minha promessa solene de que a minha boca não se abrirá jamais para falar de ti, seja com quem fôr, sobre o que fôr.


 Não sei se voltarás a confiar em mim, e se me continuarás a honrar com a tua amizade.


 Espero que sim, porque te estimo e admiro imenso e não é uma porcaria destas que pode prejudicar uma amizade a florescer.


E sabes uma coisa? Estou com um trabalho em mãos que detesto. Estou a registar os “mortos” de 2004, e a dar uma volta no ficheiro do cemitério, para ver se arranjo campas que possam ser reutilizadas.


 Isso sim não tem remédio. Quando passamos a fazer parte de um ficheiro de registo de óbitos de uma Junta de Freguesia!


 Arre! Espero que falte muito! Beijos para todos…



publicado por Fernanda às 15:25
link do post | comentar | favorito
|

16 comentários:
De Anónimo a 8 de Janeiro de 2005 às 00:01
errar é humano!toda a gente erra minha querida!espero que tudo corra bem! Beijo**giraflor
(http://europemaphaldas.blogs.sapo.pt)
(mailto:mafalda_flores@hotmail.com)


De Anónimo a 4 de Janeiro de 2005 às 11:02
Um bom ano... voltei!Carlos Tavares
(http://o-microbio.blogspot.com)
(mailto:carlos.roquegest@mail.telepac.pt)


De Anónimo a 4 de Janeiro de 2005 às 09:42
olá !! Se realmente era AMIZADE tudo se irá resolver, é tudo uma questão de tempo.
beijocasarlequim
(http://carlequim.blogs.sapo.pt)
(mailto:carlequim@sapo.pt)


De Anónimo a 4 de Janeiro de 2005 às 09:19
os verdadeiros amigos são como a lua... nem sempre se veem mas tão sempre lá!
É uma frase cliché mas bem verdadeira! Não te preocupes que tudo voltará ao normal! beijokas!Daniela
(http://agaja.blogs.sapo.pt)
(mailto:daniela.husetecn@sapo.pt)


De Anónimo a 4 de Janeiro de 2005 às 01:12
Um grande 2005 Fernanda. Isso passa à rapariga. Bjs.corrupto
</a>
(mailto:josesocrates@sapo.pt)


De Anónimo a 3 de Janeiro de 2005 às 23:23
Linda, eu costumo considerar a amizade o sentimento mais nobre. Mais que o amor porque a amizade não exige. Mas, por vezes, erramos sem intenção. Se a amizade era verdadeira, vai ultrapassar isso, concerteza. Um beijolique
(http://mulher50a60.weblog.com.pt)
(mailto:lique2@sapo.pt)


De Anónimo a 3 de Janeiro de 2005 às 23:21
A amizade fortalece e permanece com pequenas riscadelas... espero e parece que esta é superficial.... Daniel
(http://seedsof.blogspot.com/)
(mailto:matiassaitam@hotmail.com)


De Anónimo a 3 de Janeiro de 2005 às 19:22
Aquela estória bonita da Inconfidente diz tudo. Que mais posso dizer? Ser amigo é também esquecer aquilo que pode estragar os valores da amizade. Um grande xicoração.Carlos
(http://carlosrlopes.blogs.sapo.pt)
(mailto:carlosrlopes@sapo.pt)


De Anónimo a 3 de Janeiro de 2005 às 18:55
Na Amizade, tal como no Amor, temos de ser uns verdadeiros artistas para gerir os acontecimentos... pedevento
(http://pedevento.blogs.sapo.pt)
(mailto:mardapalha@hotmail.com)


De Anónimo a 3 de Janeiro de 2005 às 18:55
Na Amizade, tal como no Amor, temos de ser uns verdadeiros artistas para gerir os acontecimentos... pedevento
(http://pedevento.blogs.sapo.pt)
(mailto:mardapalha@hotmail.com)


Comentar post