Porque viver, sobrevivendo, é uma questão de simplicidade...
Terça-feira, 22 de Fevereiro de 2005
...

Falar da roda viva em que o dia a dia nos engole, é pouco.


Já estou cansada de falar como estou cansada.


E à medida que observo os outros ao meu redor, parece-me óbvio que ninguém tem sossego!


As crianças andam num autentico carrossel, mas sem cavalinhos nem música de feira, pois têm os mesmos horários dos pais, levantar cedo, ir para amas ou creches, actividades extra curriculares, para a escola ou jardim de infância.


Chegam a casa estafadas, e ainda com trabalhos de casa para fazer.


Os jovens andam às voltam com entrada em faculdades, com os consequentes trabalhos e frequências, e nem sequer se podem pôr a pensar nas perspectivas de emprego, senão desmoralizam num instante!


Os que já acabaram um curso ou a formação profissional, perdem o sono pelas respostas a anúncios e envio de currículos.


Começam a namorar e querem comprar casa, é mais uma dôr de cabeça.


Os adultos, bem….


È o transito, o trabalho ou a falta dele, o ordenado que não chega para todas as despesas, os problemas que se atropelam em cadeia, para ver qual é o primeiro a chegar!


Os velhotes, ganham tempo livre, mas perdem a paz ao fazerem contas às reformas (de miséria), às contas da farmácia, à viuvez que chega sem aviso, aos filhos que se esquecem que eles existem mesmo sem querer…


E o que dizer da incerteza da vida?


Todos os dias nos levantamos sem sabermos o que irá acontecer, se não vem a caminho alguma desgraça.


Talvez, quem sabe, alguma benesse, alguma pontinha de sorte….


Somos formiguinhas neste imenso universo.


Cada uma no seu carreiro.


Enfim…


Vamos lá parar com as filosofias baratas.


Continuo sem net no meu computador.


Por isso não vos consigo visitar, ou o faço a correr quando a minha colega vai à casa de banho.


Se calhar, ainda lhe ponho um laxante no café?


Hem?


Não acham boa ideia?


E a quem interessar, já concordámos lá em casa em relação ao nome do meu cão que, espero, já deve ter nascido.


Será Faraó.


Já que o Egipto está cada vez mais longe, nem por um canudo o consigo ver..


Beijos para todos.


Enquanto não pagam imposto.


Beijos para todos. Enquanto não pagam imposto.



publicado por Fernanda às 14:49
link do post | comentar | favorito
|

15 comentários:
De Anónimo a 25 de Fevereiro de 2005 às 17:36
Parece que esses tão deliciosos beijos pagam "imposto" lá prás arábias que, felizmente, estão longe...
Laxante duplo parece ser o indicado, pelo tanto que ouço da tua companheira...
Mas deixa-me dizer-te, formiguinha deste nosso universo, a incerteza da vida é o que a faz tão interessante! Se tudo estivesse escrito escancaradamente à nossa frente, acabava sem sabor nenhum... Bjos sem imposto!Amaral
(http://amaralnascimento.blogspot.com/)
(mailto:amaralnascimento@hotmail.com)


De Anónimo a 23 de Fevereiro de 2005 às 10:25
O teu post seria mais eficaz se mudasses o tipo de letra... é que este é tramado para ler e muito mais eu que tenho problemas de visão!Carlos Tavares
(http://o-microbio.blogspot.com)
(mailto:carlos.roquegest@mail.telepac.pt)


De Anónimo a 23 de Fevereiro de 2005 às 01:45
Xiça mulher, tinhas de pôr as desgraças todas no mesmo dia?
Também há coisas boas, não te esqueças de reparar nelas! Beijinho :-)saltapocinhas
</a>
(mailto:mapsl@sapo.pt)


De Anónimo a 22 de Fevereiro de 2005 às 22:22
isso do laxante nao funciona.......já experimentei.......dura pouco.......e sentes remorsos depois.....o egipto continua no mesmo sitio.....nao percas essa ideia........vale a pena lutar mesmo em condiçoes adversas......um FORÇA!para todas......maria
</a>
(mailto:maria40@yahoo.com)


De Anónimo a 22 de Fevereiro de 2005 às 22:02
viva, linda! :) Pobre colega, santos laxantes...! hehehe Também tenho sentido o tempo como uma roda viva e, sentindo dificuldade em impedir que assim seja, procuro fazer com que seja o mais agradável possível, entregando-me a cada tarefa. difícil é quando elas se amontoam no mesmo momento... nos últimos tempos o meu trabalho tem-se parecido cada vez mais com as urgências dos hospitais...! :P Também lamento o facto das crianças terem de seguir os horários do mundo dos pais. Cabe-nos a nós ir criando um novo futuro. Ideias?... jinhos ternurentosSofia
(http://blog.sofiamorgado.net)
(mailto:sofia@universodeluz.net)


De Anónimo a 22 de Fevereiro de 2005 às 20:17
Linda, já tinha saudades tuas. E realmente é mesmo aborrecido estares sem net. A ideia do laxante... se calhar até é boa, não sei é se irá ajudar à boa disposição do senhor.:) Beijinhoslique
(http://mulher50a60.weblog.com.pt)
(mailto:lique2@sapo.pt)


De Anónimo a 22 de Fevereiro de 2005 às 20:05
o nome do cãozinho tem que ser "pharao" e não "fárao"... é para dar mais charme ao bicho. lol, mas pronuncia-se como quiseres. bjs grandS**Karura
(http://blackpenguin.blogs.sapo.pt)
(mailto:karura@iol.pt)


De Anónimo a 22 de Fevereiro de 2005 às 18:36
tens razao, nd nestas VIDA eh seguro, so a morte...

ashistorias.blogspot.com
ospensamentos.blogspot.compedro
(http://ospensamentos.blogspot.com)
(mailto:tendre08@hotmail.com)


De Anónimo a 22 de Fevereiro de 2005 às 18:22
Os beijos não pagam nem nem vão pagar imposto. De vez em quando podem pegar uns micróbiozitos, mas isso...são outros quinhentos;)Quanto ao dia a dia desta vida...minha querida amiga, aprendi a dizer uns palavrões (quando estou sózinho), a sorrir (sempre que possivel) e capacitar-me que há sempre alguém que esteja pior. Beijinhos sem micróbios...tomei a vacina mas nunca se sabe :):)aflores
(http://omeublog2004.blogs.sapo.pt)
(mailto:albertoflores1957@sapo.pt)


De Anónimo a 22 de Fevereiro de 2005 às 17:38
Um beijo para ti também e essa ideia do laxante não é mal pensada de todo ;-)garanho
(http://cogitando.blogs.sapo.pt)
(mailto:garanho@sapo.pt)


Comentar post