Porque viver, sobrevivendo, é uma questão de simplicidade...
Sexta-feira, 18 de Março de 2005
Sem Raizes - 2

O sorriso desapareceu do meu rosto num ápice.


 À minha frente estava, não o meu Zé, mas uma mulher. De cabelo preto apanhado, ar cansado e olhar duro.


Desviei os olhos dela. Corei. No fundo, sabia quem era.


À sua volta, penduradas nas saias, estavam quatro crianças. Em escadinha, o mais pequenino mal se tinha em pé, e o mais velho chuchava no dedo. Caiu um silencio atroz.


 Mandei-a entrar. Sentou-se numa cadeira, enquanto as crianças se sentavam à sua roda, no chão.


Eu estava paralisada. Colada ao chão. Sentindo-me ridícula, mais a minha enorme barriga, de pé feita estátua.


- Não te queres sentar? – perguntou a mulher, como se a casa fosse dela.


- Não, estou bem assim – respondi num fio de voz.


- Sabes quem sou? – e cravou os olhos negros em mim, trespassando-me.


- Calculo – baixei os meus olhos.


Olhei aquelas crianças. Quietas. De olhar parado. Cansadas. Expectantes.


- Vim falar contigo para apelar ao teu coração – a voz da mulher amansava-se.


- Diga – balbuciei a custo. - O meu Zé disse-me que me queria deixar, porque estava enrabichado por uma gaiata.


Aquele olhar negro feria-me a fundo.


 - Já não sou uma gaiata – retorqui a medo.


 - És sim, igual a muitas outras que ele já teve. Mas és a 1ª que o quer tirar de casa.


- Eu não quero tira-lo de casa, ele é que disse….


 - Eu sei muito bem o que ele te disse! – a sua voz parecia um grito – e sei o que me disse a mim!


 Não conseguia tirar os olhos do chão, onde as crianças se começavam a agitar.


- Venho apelar para o teu bom coração – repetiu ela enquanto fazia sinal aos filhos para que ficassem quietos. - Não venho aqui atacar-te. Venho pedir que te afastes do meu Zé. Ele tem 4 filhos para criar, e tu és muito nova, podes refazer a tua vida com facilidade. O que não é o meu caso.


- Posso ser muito nova, mas gosto mesmo dele e…….


- E estás grávida, não é?


 Voltei a baixar os olhos, desta vez com vergonha.


- Não sei se o fizeste de propósito, mas olha que são 4 filhos contra um. Ele já sabe?


- Não. Nem eu sabia que estava grávida.


- Ainda bem. Tenho a certeza que ele ía reagir muito mal…


- Porquê?


- Não interessa. Não te esqueças que sou mulher dele há muitos anos, conheço-o bem!


Começava a sentir um cansaço enorme a invadir-me. Só queria que aquela visita acabasse para que me pudesse deitar.


- Tu queres esse filho? – perguntou a mulher num esgar.


 - Não sei….


 - Podes sempre deixa-lo no hospital quando fores parir…


- Não sei…


- Já vi que não sabes nada. Mas eu sei o que faço se tu não deixares o meu Zé.


O tom de voz de ameaça arrepiou-me.


 - Juro-te pela saúde dos meus filhos, estas crianças inocentes que vês aqui, que se não deixares o meu Zé..


Sim, o tom era mesmo de ameaça.


- Se não deixares o meu Zé, vou dar parte dele à Guarda. Tu és menor, portanto ele vai para a cadeia. Pode não ficar comigo e com os filhos, mas contigo não fica também!


E dito isto, levantou-se. Quase atropelou as crianças ao dirigir-se para a porta.


- Ficas a saber que ele vai para a cadeia!!!!!!! – gritava enquanto puxava pelos filhos.


 O estrondo da porta quando ela saiu soou mais forte dentro de mim.


Sentei-me, quase caí na cadeira. Não tinha qualquer dúvida que a mulher estava a falar muito a sério. Se não estivesse tão assustada, quase que tinha pena dela.


Que estúpida! Pena…. Devia era ter pena de mim. Bem caras me estavam a sair as voltinhas no meio do campo.


Fechei os olhos, e quase senti o aroma silvestre das flores misturadas com os restos da palha, das ervas amassadas sob o peso dos nossos corpos.


- Ai Zé, que saudades tenho tuas!


 A ideia de o ver na cadeia era-me insuportável. Seria mesmo assim? O facto de eu ser menor de idade podia arranjar-lhe problemas tão graves? Que direito tinha eu de lhe destruir a vida? E que vida seria a nossa começando desta forma? Aquela mulher não nos ía dar descanso. Mas não estava contra ela. Tinha o direito de defender os filhos, é claro. Mesmo que tivesse de passar por cima de mim. Foi isso mesmo que ela fez. Sentia-me como se tivesse sido atropelada.


 Decidi deitar-me, quando ouvi a porta bater. Era a minha mãe. Não sei de onde vinha àquelas horas da noite, mas foi bom não estar em casa, pois seriam duas a atacar-me.


- Ainda estás acordada, cachopa? Olha que amanhã a jorna é dura.


- Já me ía deitar.


 - Estás esquisita, mas isso é normal em ti. És a mais estranha dos meus filhos..


 Não lhe respondi, não estava em condições de sustentar uma discussão.


- Disseram-me na venda que tiveste uma visita. Uma mulher desconhecida com um rancho de miúdos atrás.


 - Era a mulher do Zé – respondi enquanto me despia.


- Logo vi! Veio tirar satisfações? Abençoada!


Queria chorar, mas não conseguia. Precisava de colo, de consolo, mas não era dali que ele podia vir.


 - Ela diz que faz queixa do Zé à Guarda e que ele vai preso. Ela pode fazer isso?


Olhei-a com uma réstia de esperança. Mas não adiantou. A confirmação soou quase cruel.


 - É assim mesmo! Se não acreditas em mim, pergunta ao teu tio Alfredo, que é policia!


 Não quis ouvir mais nada. Fui para o quarto.


As minhas irmãs dormiam como anjos, sem se aperceberem de nada. Ajeitei-lhes a roupa e tive vontade de ser menina outra vez.


 Amanhã teria de tomar uma decisão.


Talvez a mais importante da minha vida.


 


(continua)


 



publicado por Fernanda às 11:59
link do post | comentar | favorito
|

21 comentários:
De Anónimo a 22 de Março de 2005 às 02:58
És uma mulher de coragem, Fernanda. Admiro-te!

beijinhoCris
(http://chatalinda.blogs.sapo.pt/)
(mailto:chatalinda2@hotmail.com)


De Anónimo a 21 de Março de 2005 às 11:10
...agora, é só continuar até à página 180 ou 200!
Já temos livro! E muito bem começado!
Criaste um "esqueleto" para ir desenvolvendo a ideia ou vais inventando sem plano? Se calhar esta segunda solução é mais difícil...
zé
(http://zeoliveira.blogs.sapo.pt)
(mailto:o-oliveiradaserra@sapo.pt)


De Anónimo a 21 de Março de 2005 às 10:56
Minha mui querida amiga Fernandita... estou a adorar o relato... venham os próximos "episódios"... um grande beijo!garanho
(http://cogitando.blogs.sapo.pt)
(mailto:garanho@sapo.pt)


De Anónimo a 21 de Março de 2005 às 09:57
Tem continuação? Então, aguardo!Carlos Tavares
(http://o-microbio.blogspot.com)
(mailto:carlos.roquegest@mail.telepac.pt)


De Anónimo a 21 de Março de 2005 às 06:56
ja te enviei 4 mails vem devolvidos!! manda me um mail devo tar com o teu endereço errado. tenho te lido claro. dizer-te o quê..um beijo fernanda. do coraçao. myryan
</a>
(mailto:myryan@sapo.pt)


De Anónimo a 20 de Março de 2005 às 20:43
... nem sei o que dizer e pelos vistos o relato ainda nem vai a meio... vou voltar para saber um pouco mais de ti.

parabéns pela coragem...gata
(http://ninhodagata.weblog.com.pt)
(mailto:promao_gata@clix.pt)


De Anónimo a 20 de Março de 2005 às 12:22
Oi criadores de blogs, temos uma oportunidade para mostrares o que vales!
Vamos fazer um concurso de blogs. Temos muitos prémios para ti!!! Para participares e ganhares prémios vai a: asturmas.blogs.sapo.pt Nota: As incrisões terminam no dia 15 de Abril de 2005!!!Participa!!!
francisco
(http://asturmas.blogs.sapo.pt)
(mailto:asturmas@sapo.pt)


De Anónimo a 20 de Março de 2005 às 12:13
Acredito que não seja uma história fictícia. O realismo que lhe imprimes dá-lhe uma força muito própria. É uma história bonita da vida. Daquelas que não envergonham ninguém. Vou continuar a seguir com muito interesse e muito respeito!Amaral
(http://amaralnascimento.blogspot.com)
(mailto:amaralnascimento@hotmail.com)


De Anónimo a 20 de Março de 2005 às 07:10
Não tenho muito a acrescentar aos comentários anteriores. Dói saber que não é apenas uma história bem escrita e que na realidade aconteceu. Se te sentes melhor, solta tudo. Um beijo enorme, enorme.Carla
(http://papoilasdoces.blogs.sapo.pt)
(mailto:cferreirapedro@sapo.pt)


De Anónimo a 19 de Março de 2005 às 19:05
estou a gostar da historia ! NOTA: qd digo estou a gostar eh pq tou a encarar cm se fosse uma historia. claro q ao pensar q realmente se passou, fico triste pela senhora, tua mae...*

ashistorias.blogspot.com
ospensamentos.blogspot.compedro
(http://ashistorias.blogspot.com)
(mailto:tendre08@hotmail.com)


Comentar post