Porque viver, sobrevivendo, é uma questão de simplicidade...
Terça-feira, 24 de Agosto de 2010
Pois..

 

 

Quem me conhece na “realidade” sabe que a minha vida é casa-trabalho e vice-versa (convém… o vice-versa..)…

 

Não vou às compras, não vou sequer beber café ao fim de semana, não saio para lado nenhum a não ser quando sou obrigada…

 

Tenho o meu tempo contabilizado quase ao segundo e tudo o que me faça sair da rotina me complica a vida e os nervos, e atrapalha o dia-a-dia (por exemplo, ter de ir a Lisboa ao hospital ou a casa da minha mãe, estraga-me a semana toda…)

 

É como se eu funcionasse como uma máquina de engrenagem montada, numa gestão apertada de (poucas) forças e tudo o que seja a mais, tem consequências penosas para o meu estado físico e mental… Tenho de me “resguardar” para o que é importante, como vir trabalhar e tratar da minha família e casa…

 

Há alturas em que me revolto tanto com isto, ou porque tive um convite fixe de amigas para sair, ou a minha família quer ir passear, ou eu mesma sinto necessidade de “arejar” e ver outras paragens…

 

Mas infelizmente, em 99 % dos casos, mesmo que eu me encharque em cafeína e medicação, o estado doloroso e de debilidade é tanto, que não consigo ir a lado nenhum…

 

São poucas as pessoas que entendem isto, e já perdi amizades por estar sempre a dizer “não”… pensam que é por preguiça, por mau feitio, por ser parva, sei lá…

 

Mas não é. Infelizmente. Gostava de ser “eremita” por opção e não por imposição..

 

A semana passada, pela 1ª vez, ouvi “ao longe” o meu filho mais novo a dizer que estava com fome, e não consegui sequer mover-me para ir tratar dele…

 

Não consegui ter qualquer reacção… apenas deixei rolar as lágrimas pela cara abaixo e fechei os olhos..

 

Acabei por adormecer vestida, calçada e de óculos na cara, em cima da colcha, de janela do quarto escancarada, sem jantar ou tomar a medicação da noite, porque estava petrificada de cansaço e o meu corpo e mente bloquearam de todo…

 

Quando acordei de manhã “assarapantada”, tentei perceber porque me tinha acontecido aquilo, (tinha de encontrar justificação para o injustificável)..

 

Levantei-me a custo, fui ver como estavam os filhotes, bebi a “injecção” de cafeína que me arrasta da cama até à cozinha, onde me espera outra que bebo ainda sentada no sofá, enquanto espero que o dia nasça e as restantes forças apareçam para começar a labuta do dia…

 

E entretanto percebi…

 

No dia anterior tinha acordado também de madrugada, depois correu um dia de trabalho com bastante movimento, e por fim, tive uma unnusual reunião que correu muito bem (e até me soube tão bem ir até à Casa do Adro, onde não ía há 20 anos..), mas me fez chegar a casa perto das 8 da noite, com 15 horas de trabalho em cima do pêlo…

 

Portanto, se para uma pessoa que não tenha os meus achaques já seria difícil, quanto mais para mim..

 

Não tenho então de me sentir impotente nem culpada por não ter conseguido dar o jantar ao meu filho, e para não volte a acontecer ficar em estado quase comatoso, tenho de me cuidar!

 

Não sei bem como, a minha colega de serviço foi de merecidas ferias e eu vou estar um mês a entrar às 9 e a sair às 18.30…

Não sei se terei forças… a ver vamos e um dia de cada vez, como os bêbados…

 

Já não sei porque comecei com este “conversê” todo…

 

E se calhar não devia estar aqui a lamentar-me, porque já há quem diga que não faço mais nada, como se isso servisse de lição ou desse forças a alguém, ou pelo menos a mim…apenas humilha e envergonha ainda mais…

 

Mas escrever lava a alma, acalma as dores e aquieta os medos, mesmo que mais ninguém leia ou se interesse…

 

E JÁ SEI PORQUE me saiu da ponta dos dedos este blá blá todo!

 

Vinha do almoço e olhei para o meu carro, que é o único que está no estacionamento aqui da junta, no meio do polvoró das obras…

O carrito já é velho e então assim no meio de alcatrão levantado, bulldozers e caterpillars por todo o lado, até dá vontade de rir… ou então chorar…

E vinha então do almoço, olhei para o charrueco e pensei…

 

“Se tivesse tempo, ía à papelaria a Loures ver se encontro um daqueles autocolantes para colar no vidro traseiro e que dizem..

 

MY OTHER CAR IS A PORSHE!!!”

 

 

 



publicado por Fernanda às 15:52
link do post | comentar | favorito
|

1 comentário:
De corália a 25 de Agosto de 2010 às 17:36
QUE BOM!!!. estou muito feliz por ter desencadeado este retorno ao teu blog...porque menina (como já te disse) é muito agradável ler-te. continua ..que os momentos que aqui passo são bálsamos para o meu dia.
um grande beijo..com muito carinho
Corália


Comentar post

mais sobre mim
pesquisar
 
Agosto 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
26
27
28

29
30
31


posts recentes

A ESTRELA !!!

Mas nem tudo são desgraça...

Pois..

Saudade...

ESTUPIDAAAAAAAA!!!!

20 anos

Beleza Pura

De Centauro a Sereia

ATÉ DEUS....

QUERO UM!!!!

arquivos

Agosto 2010

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Dezembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

tags

todas as tags

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds